terça-feira, 20 de setembro de 2016

Promessas e mudanças


Certa vez, durante a adolescência, falei "eu nunca vou trocar minhas amigas por um namorado". Até que conheci um amor avassalador, desses que nos faz mergulhar de cabeça sem olhar pra trás, sem nem perceber o que estamos abrindo mão nas nossas vidas. Quando me dei conta, eu estava inventando mentiras para minhas melhores amigas, de que estava doente ou estava ocupada, para não precisar diminuir a quantidade de horas do fim de semana ao lado do meu namorado a fim de encontrar com elas. Cada vez que eu fazia isso a consciência ficava pesada e eu me sentia muito mal, sabia que além de estar traindo a elas eu estava traindo a mim mesma e minhas crenças e promessas. Mas, naquele momento, era aquilo que eu queria viver, então segui em frente. Esse mesmo amor avassalador me fez quebrar outra promessa que fiz a mim mesma na adolescência, que foi a de nunca achar que minha vida perdeu o sentido porque o meu namoro acabou. Foi bem difícil e eu precisei de vários meses de terapia para me recuperar e voltar a enxergar um sentido para o viver. Respirei fundo. Passou.

Hoje um dos meus melhores amigos disse acreditar que quando eu começar a namorar de novo nossa relação irá mudar. Eu respondi que não quero que isso aconteça, e que me esforçarei muito para continuarmos tão amigos e íntimos como somos hoje. Ele então prometeu que se fosse ele que começasse a namorar, nada mudaria. Eu não consegui prometer. Minha memória foi direto para o dia em que eu estava no quarto das minhas melhores amigas, num domingo a tarde de 2009 ou 2010, e prometi que nunca trocaria elas por nenhum namorado. O coração apertou. Não sou de fazer promessas vazias. Quebrar minha palavra é algo que me machuca e me persegue pro resto da vida. Eu só consigo prometer algo que eu tenha certeza que conseguirei cumprir, e se aprendi algo com o relacionamento passado, foi que não posso prometer não mudar por um relacionamento.

Acredito - e sempre defendi isso - que o ser humano é altamente mutável. Estamos mudando todos os dias, o tempo inteiro. A Anna de hoje é totalmente diferente da Anna de 2009 que fez aquelas promessas. E essas mudanças são produzidas pelas situações que vivemos, e pelas pessoas que encontramos e deixamos de encontrar na vida. Meu amigo perguntou se eu não conseguia prometer porque tinha medo de acabar mudando pelo meu namorado, por mim, ou por estar namorando. Respondi que talvez por um pouco de cada coisa, ou quem sabe por nada disso. Pessoas mudam quando estão em um relacionamento, e isso é inevitável, impossível de controlar. É, inclusive, uma das coisas mais bonitas que vejo num relacionamento. Duas pessoas que se encontram e vão mudando, se adaptando ao outro, para evoluírem juntos como pessoas. 

Não quero que as coisas mudem entre nós, amigo. Mas pode ser que um dia elas simplesmente mudem. Ou, talvez um dia eu deseje que elas mudem. Ou você deseje. A única coisa que posso prometer no momento é que no que depender de mim, irei fazer tudo o que for possível para manter nosso laço tão estreito quanto tem sido nos últimos tempos.