sábado, 1 de março de 2014

O livro de história que falava do futuro


Essa noite eu tive um sonho. Estava em uma biblioteca gigante, com estantes de no mínimo 5 metros de altura, repletas de livros. Tinha alguns grandes e de capas duras, outros menores, mais fininhos e menos pesados. Haviam alguns com cheirinho de novo, mas quanto mais eu adentrava no grande corredor formado pelas estantes, mais amareladas as páginas dos livros iam ficando. O ambiente tinha uma luz fraca, mas aconchegante. Eu podia sentir uma energia estranha, como se eu estivesse em algum lugar sagrado, algum lugar muito importante. E esta biblioteca estava vazia, o único som que eu conseguia ouvir eram meus sapatos batendo no chão, um após o outro, e a grande chuva caindo lá fora.
Eu não sabia onde estava, que horas eram nem aonde tinha que ir. Por isso decidi pegar um livro e começar a ler. Peguei um daqueles bem grossos e antigos. Não tinha título algum na capa, apenas uma gravura, algum símbolo que eu nunca tinha visto. Comecei a folear e percebi que era um livro de história, que contava detalhadamente tudo o que eu aprendi na escola. Ah, como eu gostava de história! O aparecimento dos homo sapiens sapiens, o domínio do fogo, a descoberta da roda, as primeiras sociedades. Me demorei a um pouco mais nas páginas que falavam sobre a Mesopotâmia e o Egito Antigo, são assuntos que realmente me fascinam. Continuei passando as páginas e vendo toda a história da humanidade passar na minha frente. Idade média e as aberrações da igreja católica, renascimento, revolução industrial, grandes epidemias e guerras que mataram milhões de pessoas.
Quando eu estava chegando mais ou menos na metade do livro já estava sendo narrada a história da segunda guerra mundial. Fiquei confusa, afinal ainda restavam tantas páginas e a segunda guerra mundial nem aconteceu a tanto tempo atrás. Comecei a passar as folhas com mais pressa, ansiosa para ver o que vinha em seguida, para ver a história chegar nos dias atuais e descobrir o que tinha nas páginas seguintes do livro. E então, assim que virei uma página, meu queixo caiu. Com o coração acelerado, me dei conta que já havia ultrapassado os dias atuais e o livro continuava. Parecia que o futuro já estava escrito ali também, mas eu não conseguia ler.
Comecei a me desesperar. As linhas não passavam de borrões aos meus olhos. Voltei algumas páginas e li sobre a crise financeira de 2008; minha visão estava normal. Avancei novamente as páginas e tudo ficou turvo e confuso de novo. Me esforcei bastante e até consegui identificar uma palavra ou outra, mas não conseguia entender o que o texto dizia, não consegui ler o que ia acontecer no decorrer da história.
Acordei suando, estava nervosa e incomodada. Peguei o livro que estava em minha cabeceira e fui diretamente para a última página; consegui ler perfeitamente e me senti aliviada, havia sido apenas um sonho. Enquanto embolava na cama tentando dormir, eu pensava no significado desse sonho. O futuro já está escrito mas eu não consigo ler, preciso vivê-lo como presente primeiro. Esforcei-me para lembrar das palavras aleatórias que consegui entender, tentar encaixá-las, dar algum sentido a elas. Obviamente não consegui. Me senti frustrada, por mais que eu tivesse algumas pistas, o futuro continuava sendo um total mistério para mim.
Fiquei irritada e desejando nunca ter tido aquele sonho, nunca ter tido essas pistas sobre o futuro. Foi então que percebi que eu não precisava sonhar para obter essas pistas. A medida que a gente vai vivendo, várias pistas sobre o futuro vão aparecendo. Por exemplo, é possível que no futuro eu seja uma psicóloga, pois é este o curso que estou fazendo atualmente. Mas nada garante que, talvez no último ano da faculdade, eu mude de ideia e decida me tornar uma jornalista. Ou uma médica. Ou uma dona de casa. Isso é engraçado quando lembro que, ao decidir prestar vestibular para psicologia, eu achei que estava escrevendo meu futuro, decidindo quem eu seria a partir dali. A verdade é que isso não é garantia de nada. Por mais que nós tentemos nos agarrar em fatos do presente para tentar ter alguma segurança em relação ao futuro, ele continua sendo um mistério para nós, onde tudo o que menos esperamos pode acontecer.
Consegui voltar a dormir, já não estava mais inquieta. Consegui aceitar que o futuro é e sempre será um mistério. Ele pode trazer coisas tristes, como uma terceira guerra mundial, ou coisas felizes, como uma grande história de amor. A graça disso tudo é realmente se deixar ser surpreendida por ele.
Sonhei de novo, mas agora não foi com livros grandes e pesados. Tudo era branco e haviam flores coloridas e borboletas. Eu me sentia leve, me sentia feliz.

Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Prefiro os livros às borboletas, mas enfim.
    Que louco. Vc sonhou isso de verdade, ou a ideia de ter sido um sonho foi hipotética? Quero dizer, fiquei curiosa para saber se foi obra do seu consciente ou inconsciente. Eu interpretaria o sonho como algo feito pelo inconsciente de alguém que tem pavor do futuro.
    Está gostando do curso de psicologia? Estou cursando o mesmo, mas ainda estou apenas na segunda semana. Já sabe que vertente da psicologia vai seguir? Que área?
    Muitas pergunta, eu sei que sou chata. Mas adoro perguntar às pessoas que escolheram a mesma carreira que eu o porquê dessa escolha.
    Sabe, eu terminaria esse comentário com uma frase filosófica e profunda, do tipo " Se eu achasse um livro com o futuro escrito, acho que não o leria, mesmo que minha vista conseguisse fazer isso. Os mistérios devem ser guardados" - mas a verdade é que todo mundo leria o futuro, se pudesse. Sem hipocrisia, gente. haha
    Amei seu comentário no meu blog. Amei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também prefiro livros à borboletas kkkkkkk mas é que o ambiente em que os livros estavam era pesado e tenso, e o ambiente em que as borboletas estavam era mais leve e alegre, entende? kkkkkkkkk
      Não, eu não sonhei isso de verdade. Em um dos textos da faculdade vi o autor dizendo que havia tido este sonho sobre o livro de história que mostra o futuro, e eu fiquei com essa ideia na cabeça, imaginando quão angustiada eu ficaria se tivesse tido este sonho, e então criei toda a reflexão do final sobre o futuro. O ambiente da biblioteca também foi criado por mim, ele fala apenas do livro, não sei se estava em uma biblioteca ou não.
      As outras perguntas eu vou responder no seu blog, beijos :)

      Excluir
  2. Muito legal o texto e a reflexão! Realmente não sabemos o que vamos querer amanhã. Eu mesma ia fazer psicologia e hoje estou quase me formando em publicidade :)
    boa semana :)
    ;**

    Red Behavior

    ResponderExcluir
  3. _Consegui aceitar que o futuro é e sempre será um mistério...Adorei, um mimo vc fez uma ótima escolha e deu mais um belo showww por isso é tão bom e viciante andar por aqui, o io Castanha dxa pra futura Psicóloga beijinhos e beijinhossssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  4. Confesso que seu sonho ao mesmo tempo que é maravilhoso, é assustador. Em apenas um livro estar tudo escrito.. Mal sei o que dizer, de verdade. Entendo você ter acordado assustada, frustrada e até com um pouco de medo, acho que a reação comigo não seria diferente.
    Mas como você disse, a cada passo e a cada dia, nós vemos um pouco do futuro e ele depende apenas de nós. Nós é que escolhemos qual futuro teremos e ninguém mais tem esse poder, além de Deus é claro. Mas acho que esse sonho serviu para que seus pés fiquem mais ainda no chão, para que você viva sua vida a cada dia e com plenitude, com nada a se preocupar, faça o hoje e só se preocupe com o amanhã quando ele chegar.
    Adorei você ter compartilhado seu sonhos, acho que ele tem um grande significado!

    Beijinhos,
    Percepções Blog

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que texto bacana!
    Acredito que sonhos podem sim 'avisar' certas coisas a nós. E adorei a sua reflexão. Realmente, o presente é o que deve nos importar, porque o futuro não está em nossas mãos, nem sob nosso controle.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, isso se encaixou muito bem sobre o que estou passando agora. Sabe, quando nos aproximamos de mudanças acaba que o medo vem - lembro de ter ouvido uma vez que o medo é bom, é sinal de que estamos próximos de algo importante - mas mesmo assim é péssimo não saber o seu futuro e o que ainda está reservado para você. Vai que entro na sala de aula semana que vem e me depare com algo que eu não queria. Nossa, dúvidas demais, né.

    Um abraço, adorei o post! De verdade!!

    ||TERRA DE FAGULHAS

    ResponderExcluir

Se você gostou do post, comenta! Vou adorar saber o que você achou.
Assim que puder responderei seu comentário, e se você deixar o link do seu blog irei retribuir a visita. Obrigada, e volte sempre!

Beijos, Anna