terça-feira, 19 de março de 2013

Primeiro dezenove


Há um ano atrás estava eu indo para aquela festa chata, com bandas que eu não gostava, com um aglomerado que tornava quase impossível se mexer, com gente soprando fumaça de cigarro na minha cara e me dando banho de cerveja. Não gosto desse tipo de festa. Mas mesmo assim eu estava indo para aquela com um sorriso no rosto, e lá no fundo eu tinha a sensação de que algo ia acontecer entre eu e você. Talvez eu não soubesse que esse algo mudaria minha vida, meus dias, minha rotina, mas eu já sabia que aquela não seria uma simples festa em que eu ficaria com sono depois das duas da manhã. E realmente, não fiquei. Fomos, dançamos (ou pelo menos você tentou dançar), reclamamos juntos da fumaça do cigarro, e então você começou a passar mal. Culpa de todo aquele red bull que você tomou para tentar ficar um pouco mais animado para mim. Fomos então para a casa de uma amiga que ficava em frente a festa, e lá você se deitou no sofá e ficou esperando o mal estar ir embora. Todos resolveram voltar pra festa, mas eu quis ficar lá cuidando de você. Verdade seja dita, eu estava odiando a festa e não queria voltar. Odeio cheiro de cigarro, odeio aglomeração em festa e odiava aquela banda que tava tocando músicas que me ofendiam como mulher. Ficar lá com você parecia tão mais... interessante! Aos pouco você foi melhorando, e quando já estava se sentindo bem nós não quisemos voltar. Um ficou arrumando desculpa para o outro e no final resolvemos assistir um filme. Pegamos a coleção de DVDs da casa e tentamos escolher um. Só tentamos, porque não conseguimos entrar em um consenso. No final decidimos ficar assistindo ao filme que estava passando na televisão mesmo, mas é óbvio que nenhum dos dois assistiu de verdade. Ambos estávamos apreensivos e pensando em uma maneira de puxar conversa com o outro. Meu coração batia mais forte, e eu acho que o seu também. Depois de algum tempo, não lembro pela iniciativa de quem, finalmente começamos a conversar. Não lembro sobre qual o assunto, mas tenho certeza que era algo muito idiota. Eu só consigo falar idiotices nesses momentos. Mas, por sorte, não demorou muito para você me fazer calar a boca. Da melhor maneira possível. O batom vermelho foi transferido dos meus lábios para todo o redor da sua boca. Era uma sensação de primeiro beijo tão estranha que chegava a ser engraçada, e nos fazia ficar lá rindo sem motivos. Acho engraçado como essas coisas acontecem. Como o destino tinha algo tão especial reservado para nós. Desde o primeiro beijo eu já sabia que aquela não seria uma simples ficada. Que você não seria um menino que eu beijei numa festa e nunca mais falei. Eu sabia que ia sair algo mais dali, e quase um mês depois você me revelou que, lá no fundo, também sabia da mesma coisa naquele momento. A festa terminou e você foi me levar na casa de uma amiga aonde eu ia dormir. O sol já havia nascido, e nós fomos caminhando de mãos dadas por todo o caminho enquanto ouvíamos as pessoas soltarem piadinhas por estarmos juntos. Quando chegamos na porta da casa meu coração se apertou. Eu não queria me despedir, não queria te dizer tchau. Mas precisava. Demos um último beijo de despedida e então você falou no meu ouvido.
― Me passa seu telefone por facebook? Se você quiser, é claro.
― Eu quero.
Demorou três dias para você me ligar, pois não queria parecer desesperado. E desde então não houve um único dia se quer em que não nos falamos por telefone. E as coisas caminharam de um jeito tão natural e tão bonito que eu quase não percebi este ano se passar. Acordar hoje e pensar que faz um ano que você entrou na minha vida fez meu sorriso abrir de uma maneira diferente hoje. Espero, do fundo do meu coração, que tenhamos muitos outros dezenoves de março para comemorar daqui pra frente. Porque afinal, o ouro do Brasil está na Inglaterra e existem pessoas físicas e pessoas jurídicas, não pessoas virtuais.
E eu acredito que não preciso encerrar este texto com um "eu te amo" e um coração ao invés do ponto final, pois foi isso que eu escrevi em todo o texto. E não foi nem pelas entrelinhas, está impregnado no texto de forma muito explícita. Todas as palavras que digitei aqui podem condensar-se em uma única mensagem, formando essas três palavrinhas que todas as noites eu escuto você me dizer ao telefone antes de eu adormecer.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. En ein. É muito amor vocês hein <3

    Anninha, te indiquei para um meme http://www.thequeenland.com.br/2013/03/meme-skoob-minha-estante-virtual.html

    Xx

    ResponderExcluir
  2. que texto mais lindo *---------* tbm faço aniversário de namoro em março, mas vou fazer 4 anos! espero que vocês cheguem lá!
    bjs felicidades

    ResponderExcluir

Se você gostou do post, comenta! Vou adorar saber o que você achou.
Assim que puder responderei seu comentário, e se você deixar o link do seu blog irei retribuir a visita. Obrigada, e volte sempre!

Beijos, Anna