quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O problema das listas


Passei os últimos dias triste, muito triste. Chorava o tempo inteiro, sentia um aperto no coração e uma sensação de que algo estava muito errado. Faltam quatro dias para minhas aulas na faculdade começarem, e dois dias para eu me mudar. Estou tão ansiosa pra isso, começar uma nova rotina, conhecer gente nova, estudar sobre a coisa que mais me fascina no mundo - psicologia! Esperei por minha vida inteira esse momento chegar! Desde que eu tinha 4 anos (ou talvez menos) eu já havia decidido que era isso o que eu queria para minha vida, e mal via a hora de acontecer. E agora que está tão próximo eu me sinto tão... desesperada! Desesperada primeiro porque eu não quero me mudar e deixar meu namorado aqui. Criei uma certa dependência dele que eu achava que nunca criaria por homem nenhum. E segundo, não quero que as aulas comecem porque ainda quero fazer muitas coisas antes disso! No meu último ano de colégio eu estudei como uma condenada, não tinha tempo para fazer absolutamente nada do que eu adorava fazer, como por exemplo passar o dia inteiro na internet. E então eu resolvi colocar segunda entrada no vestibular para ter férias prolongadas e poder fazer tudo o que eu quis fazer e não pude o ano inteiro. Eu ia ler um milhão de livros, escrever um bilhão de textos e assistir um zilhão de séries. Eu ia levar o blog a sério, legendar Kdabra e ler quantas web novelas eu conseguisse! Fiz uma lista com tudo isso. E então minha universidade entrou em greve e eu tive as férias prolongadas ainda mais. Planejei viajar, aprender a falar inglês, emagrecer, melhorar meus dotes culinários. Planejei fazer tudo o que eu sempre quis fazer, pois eu sabia que quando minhas aulas começassem eu teria que me focar nos estudos, e não teria mais tempo para nada disso. Esta semana está fazendo exatamente um ano que eu estou de férias, e o que eu fiz? Nada. Nem metade de cada item que planejei. E Talvez esse seja o meu maior erro... eu planejo de mais! Eu planejo cada dia da minha vida, fazendo uma lista com tudo o que eu devo fazer nele. Planejo cada momento. Não sei viver na espontaneidade, no "deixa acontecer". E o que me mata a cada planejamento é a regra número um deles: nunca dão certo. Porque na hora H sempre sai algo diferente do que imaginamos, e isso leva todos os plano pelo ralo. E eu sei que é assim, e mesmo assim continuo planejando e me decepcionando cada vez que não consigo fazer o riscar todos os itens da lista. Chego a chorar por não cumprir uma meta que eu desejava tanto. E é isso o que eu tenho feito a semana inteira: chorar. Por ver que meu tempo está acabando e eu não poderei riscar um item se quer da lista de planos para as férias. E eu fico tão triste e tão chateada e tão decepcionada quando não consigo realizar minhas próprias metas. Me sinto incapaz. E se tem uma coisa que me deixa extremamente arrasada é esse sentimento de incapacidade. Minha vida inteira eu sempre fui a "foda", conseguia fazer tudo ao mesmo tempo, assumia mil e uma responsabilidades e desde os 13 anso eu já tinha o mesmo ritmo de vida de um empresário. E todos me admiravam ou invejavam por isso. E eu me sentia bem sendo assim. Quando foi que as coisas mudaram? Quando foi que eu fiquei tão insegura? Quando foi que eu deixei de ser aquela garota que um dia o professor de português disse pra mãe "Ela é incrível, tudo o que ela quiser ter na vida vai conseguir"? Eu sempre fui o tipo que quer abraçar o mundo com as pernas. Minha vida inteira eu sempre tentei fazer mais coisas do que a maioria é capaz. Do que eu sou capaz. Só que ao longo do tempo eu fui aumentando em progressão geométrica minha lista de deveres e obrigações, enquanto o meu tempo tem diminuído em progressão aritmética. Eu sei, é normal querer fazer mais coisas do que você pode, mas não é normal ficar tão arrasada assim quando chega o resultado que você já esperava: o fracasso. Não aguento mais chorar e ficar tão decepcionada por algo que eu já sabia que iria acontecer desde quando resolvi começar a fazer. Por diversas vezes pensei em desistir de algumas coisas para conseguir fazer outras, mas simplesmente não consigo. Pois amo de mais tudo isso que quero fazer e não consigo abdicar de nada. E isso é triste, e isso me mata aos poucos. Eu preciso encontrar uma solução para isso, antes que eu acabe perdendo a melhor fase da minha vida apenas por querer mais do que eu posso ter. Pode ser tarde de mais para eu terminar minha lista de férias, mas não é tarde de mais pra eu... sei lá... mudar de vida. Talvez começar uma outra lista, onde terá apenas um único item: - Não faça mais listas!!!

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Ow, Anninha =(
    Não fique triste. Você não é uma pessoa triste. É do tipo que alegra o lugar que vai só por estar ali. É realmente revoltante não conseguir riscar a lista de metas no fim do dia, mas também é super gratificante quando a gente consegue fazer isso.
    Sou apaixonada por listas. Faço listas pra tudo e me sinto estranha se não fizer, como se faltasse algo. Às vezes me sinto bem mal quando não consigo cumprir certas metas, porém acho que já aprendi a lidar com isso de uma forma bem "ah, deixa pra lá" e já passei por vários "nayla, sua inútil incapaz".
    Se tem uma coisa que eu não ache que você seja é essa palavra: incapaz.
    Você é mais capaz do que pensa, do que o mundo pensa. E até eu me impressiono muito com os seus resultados, por que a jornada pareceu tão longa e exaustiva, cheia de barreiras e abismos, mas mesmo assim você consegue fazer tudo certinho no final.
    Eu não digo pra você esquecer das listas, mas fazê-las de uma forma diferente como um recomeço.
    Por que não lista, aqui no blog mesmo, as coisas boas que estarão acontecendo lá em Recife? O que fez de bom no mês, as razões por que ama Psicologia ou até mesmo Bruno haha.
    E agora, tão tarde do ano, começa uma nova etapa da vida da gente. Então vamo tentar entrar nela de boa com a vida, mesmo com a gente sabendo que vai ser difícil, complicado, que tem um monte de outros fatores a serem considerados até alcançarmos um momento estável de felicidade. Talvez isso nem exista... "Felicidade estável" que estranho hsuahsuahsuhsa
    Eeeee, vou discordar de você na parte que diz "Esta semana está fazendo exatamente um ano que eu estou de férias, e o que eu fiz? Nada. Nem metade de cada item que planejei." Você fez muita coisa sim! Acho que você acabou planejando coisas demais, mas mesmo assim fez um bocado dessas coisas. Atualizou o blog, conseguiu um trabalho, não depende mais (tanto) dos pais financeiramente, assistiu um monte de série, aprendeu a falar bem mais de inglês, melhorou os dotes culinários (fiquei morrendo de vontade de provar o bolinho de carne hein) etc.
    Pode parecer pouco pra vista do que você desejaria, mas HEY foi uma coisa ótima. E você descansou nessas férias, se divertiu e tem um namorado que te faz MUITO BEM.
    Não se preocupa (muito) com essa nova fase. Você não está sozinha e só vai aprender mais e mais com essa vida :D

    I love you <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou chorando? Sim ou claro? ç.ç
      Awn amikka, obrigada por fazer esse texto LINDO só pra melhorar meu humor. Fico muito feliz em saber que você pensa que eu sou muito capaz, sério. E sim, você está certa, não fiz tudo o que queria mas ainda assim fiz muitas coisas... isso já é um começo! E é tão complicado esse lance de estar começando uma nova etapa da vida logo no finzinho do ano... tipo, deixa a gente mais confusa né? KKK Eu vou seguir o seu conselho, até porque as listas fazem parte de mim e eu nunca conseguiria deixar de fazê-las :) Obrigaaaada de verdade, por tudo! s2 E nunca se esqueça que tudo o que precisar eu estarei sempre aqui também, ok?

      Yo te amo <3

      Excluir
  2. Amei o seu texto e sei exatamente como é isso!! Eu planejo demais e vivo de menos, parece que quanto mais eu planejo, menos eu faço.. Estou tentando "deixar acontecer", mas é difícil..
    Beijinhos

    Am
    http://www.vinteepoucos.com.br/

    ResponderExcluir

Se você gostou do post, comenta! Vou adorar saber o que você achou.
Assim que puder responderei seu comentário, e se você deixar o link do seu blog irei retribuir a visita. Obrigada, e volte sempre!

Beijos, Anna