quarta-feira, 18 de abril de 2012

Bruno Souza ♥


Na minha última postagem aqui no blog eu contei que fui à tradicional festa de São José da minha cidade, e que lá eu conheci uma pessoa, e nós ficamos, e eu não me arrisquei a dizer o nome dele mas postei uma foto...
O nome dele é Bruno. E eu estou dizendo, porque agora ele é meu namorado *------------*
Sim, ele é meu namorado! Acreditam nisso? E amanhã ainda vai fazer um mês que nós ficamos pela primeira vez. Somente um mês juntos e ele já é meu namorado, e eu já o amo, e já sinto por ele algo mais forte do que senti por meu ex em três anos de namoro. Parece clichê dizer isso, mas é o que eu realmente sinto. E em apenas uma semana eu já estava sentindo isso... acho que ele é o amor da minha vida.
Acho que eu comentei aqui que ele é perfeito, que tem tudo o que eu sempre procurei em um homem e achei que nunca ia encontrar. Mas ele é ainda mais perfeito que isso. Ele é utópico. Sério, é assim que eu o chamo, meu namorado utópico! (e ele me chama e namorada utópica também *-*). Mas o fato é que, quando mais o conheço, quando mais ele me fala dele, da vida dele, de como ele pensa a respeito das coisas... mais eu me apaixono, e mais eu tenho certeza que quero passar o resto da minha vida ao lado dele. E não venham dizer "mas todo mundo se sente assim e pensa isso no primeiro mês", porque comigo não é assim. Eu sempre fui muito realista e tive os pés no chão. Sempre olhava para alguém e dizia "só porque eu quero estar com ele nesse momento não quer dizer que eu quero estar com ele por toda a minha vida". Mas com ele é diferente. Quando conversamos pelo telefone na primeira vez, que ele me falou dele e eu percebi que ele realmente tinha tudo o que eu sempre quis, eu não quis estar com ele naquele momento. Eu quis estar com ele por toda a minha vida. E ainda me sinto assim. Ele é a pessoa com quem eu quero me casar, a pessoa com quem eu quero criar meus filhos, é a pessoa que eu quero ver todos os dias quando acordar, é  pessoa que eu quero no meu lado em todos os momentos. E eu nunca me senti assim antes, nunca senti isso por absolutamente ninguém. O que sinto por ele é tão forte e me prende de um jeito tão fascinante, que às vezes eu acho que nunca havia amado de verdade. Apenas achava que estava amando, até que o conheci e descobri o que é o amor realmente. E o mais engraçado é que ele diz que sente a mesma coisa. Ambos costumamos dizer que, se fôssemos espíritas, acreditaríamos que já nos amamos em outra vida. Por que é isso que sentimos quando estamos um com o outro, que nos amamos desde sempre. Mas faz apenas um mês que estamos juntos. UM MÊS!
Nossa conexão é tão forte que pensamos as mesmas coisas e no mesmo momento. Por diversas vezes eu pensei uma coisa, e quando abri a boca pra falar, ele falou primeiro, exatamente o que eu tava pensando. E isso acontece ao contrário também. E tem horas que eu falo alguma coisa de mim que ele gosta, e então ele abre um sorriso (sim, eu percebo pelo telefone que ele está sorrindo) e diz "Quer casar comigo? Você é perfeita!". E eu sinto vontade de dizer a mesma coisa quando ele fala "Quando eu tiver meus filhos, vou os criar assim..." ou quando diz "Eu sou diferente dos outros homens, não penso dessa maneira". Lembro que uma vez eu dei RT em uma frase do twitter que dizia assim "Menino: você viu como Dulce tá gostosa naquela foto? Homem: Vi não, porque não consegui parar de olhar pra o sorriso dela". E logo em seguida eu twittei "preciso de um homem". Então... eu encontrei esse homem! E é tão engraçado que no momento que eu percebi que ele era um homem e não um menino eu lembrei dessa frase e comecei a rir. Eu encontrei o homem perfeito!
E a coisa mais incrível aconteceu esta madrugada. Mas para vocês entenderem, eu tenho que falar de uma conversa que tivemos há algumas semanas... Estávamos falando de amor. Ele me dizia que só dizia 'eu te amo' quando ele amava de verdade. Que mesmo que eu dissesse que o amava, ele não diria que também me amava, até que estivesse sentindo isso. Ai ele me alertou que ele poderia demorar a dizer que me amava, mas que eu podia ter certeza que quando o escutasse falando isso era porque realmente era amor. Não uma paixão, e sim amor. Amor puro e verdadeiro. Eu disse a ele a mesma coisa, que também só falaria quando estivesse sentindo. E concordamos que nenhum dos dois deveria se sentir pressionado a dizer que ama só porque o outro falou primeiro. E já fazia alguns dias que eu estava com vontade de dizer que o amava. Às vezes ele falava umas coisas lindas e minha reação automática era falar 'eu te amo', mas ai eu mordia a língua e não falava, porque não sabia se era o que eu estava sentindo mesmo, ou se era algo apenas estimulado pela coisa fofa que ele tinha dito. Então eu comecei a perceber que essas vontades de dizer que o amava eram involuntárias. Eu não ficava pensando "acho que o amo". Apenas sentia vontade de dizer isso... então não tinha como eu estar confusa com o sentimento. Eu realmente já estava o amando. Mas não disse isso a ele, porque queria dizer pessoalmente. Como ele mora em Vertentes e eu em Caruaru, só nos vemos uma vez por semana, então aguardei chegar o grande dia de nos vermos pessoalmente para eu dizer que o amava. Mas as coisas não saíram como eu planejava. Voltando a esta madrugada... Ele me ligou às 23h30, como ele liga todas as noites, assim que chega da faculdade. Conversamos muuuuito, e lá por volta da uma da manhã entramos no assunto 'nós dois'. Ele começou a dizer que as coisas estavam tão perfeitas que ele estava com medo, muito medo, de dar algo errado... de acabar tão rápido como começou. Confessei que eu sentia exatamente a mesma coisa, que tudo parecia um conto de fadas e que eu sentia que em algum momento algo ruim ia acontecer. Então ele começou a falar umas coisas para me acalmar, dizendo que era normal ficarmos imaginando essas coisas, porque as coisas estão tão perfeitas entre a gente que nosso próprio cérebro estranha e começa a nos alertar que tem algo errado. Mas que nada iria acontecer, porque nós dois fomos feitos um pra o outro, que eu era perfeita para ele e se dependesse dele, nada nunca ia nos separar. E que problemas iriam vir, mas que ele tinha certeza que o que existia entre nós dois era tão forte que iria superar qualquer problema. Enquanto ele falava essas coisas eu senti meu coração bater mais forte. Me arrepiei, senti minhas pernas tremerem, e um enorme sorriso não saía do meu rosto. E enquanto escutava o que ele dizia, apenas uma coisa vinha à minha cabeça repetidas vezes: "eu te amo". Então, quando ele terminou de falar, eu decidi que já estava na hora. Não quis mais ficar guardando aquele sentimento. Respirei fundo, fechei os olhos e quebrei o silêncio que havia se formado.
- Bruno...
- Você está com sono não é? - Ele disse, imaginando que eu havia ficado calada por causa do sono. Faço muito isso.
- Eu te amo. - Joguei, ignorando a pergunta que ele havia feito. Houve um silêncio de alguns segundos, e tudo o que eu podia ouvir era a respiração ofegante dele.
- Uau. - Ele disse, vários segundos depois, ainda tentando controlar a respiração. - Meu coração tá até acelerado agora. - Rindo.
- Faz alguns dias que eu queria dizer isso, mas tava tentando me controlar pra dizer pessoalmente. Só que você começou a falar essas coisas e eu simplesmente não consegui segurar.
- Que engraçado. - Ele disse rindo. - Faz alguns dias que eu quero te dizer a mesma coisa, mas também estava esperando para dizer pessoalmente. Mas agora que você já falou então eu também posso falar... - Pausa de alguns segundos, ele respirou fundo e então falou. - Anninha, eu tamb... eu te amo.
Ele ia dizer 'também te amo', mas então percebeu que isso não seria tão verdadeiro quanto um 'eu te amo', e então mudou a frase no meio do caminho. Achei isso tão lindo! Meu coração acelerou e um sorriso bobo se formou em minha face. Foi tão bom escutar aquilo. Estou besta até agora - e ele também -. Não paramos mais de repetir 'eu te amo' depois disso. E isso me fez tão bem, me deixou tão feliz, que sinto que nada de ruim que aconteça pode acabar com a minha felicidade. Eu o amo, e ele também me ama. O amor verdadeiro e recíproco é realmente a melhor coisa da vida.
E é até engraçado como tudo aconteceu entre a gente. Tão rápido, tão intenso. Nunca imaginei que com apenas um mês de convivência fosse possível amar alguém. Mas me enganei. E ele também. Nós dois estamos fazendo algo que jamais nos imaginamos fazendo. Nos apaixonando rapidamente. Tanto ele quando eu sempre somos do estilo pé no chão, e agora parece que só andamos nas nuvens. Isso é tão estranho, e ao mesmo tempo tão bom. Me sinto realizada com ele, e a todo momento tudo o que eu queria era apenas estar abraçada a ele.
E esse amor é tão forte que nem se quer me assusta o fato de que em agosto eu irei me mudar para Recife e  nós ficaremos mais distantes ainda. Eu estaria imensamente assustada com isso, se não o amasse tanto ao ponto de ter a certeza que a distância não vai atrapalhar em absolutamente nada. E eu nunca tive essa certeza antes. Quando a distância se envolvia em um relacionamento - qualquer que fosse, até mesmo amizade - eu sempre ficava com um pé atrás, e agora pela primeira vez na vida eu estou segura de que a distância não é nada. Estou segura de que estou com a pessoa certa. Estou segura de que o amo e que quero passar o resto da minha vida com ele. Estou segura. Apenas isso. Me sinto segura ao lado dele, me sinto segura com ele.