segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Retrospectiva 2012


Sempre quando vai chegando perto dos últimos dias de dezembro eu entro neste espírito de pensar em tudo o que eu fiz de bom neste ano, e também o que fiz de ruim, para decidir como será o ano seguinte. Poxa, fazia tanto tempo que eu estava esperando ansiosa por 2012... não por ser o “fim do mundo”, mas porque seria um ano cheio de mudanças pra mim. E realmente foi. Não chegou nem perto do turbilhão de emoções que foi 2011, onde eu tive a pressão do vestibular, a tristeza de ter que deixar a escola e me separar dos meus amigos, e também o fim de um namoro de 3 anos que é claro, me deixou bem abalada. Comparado a 2011 este ano foi até bem calminho, se você levar em consideração que eu ficava chorando o tempo inteiro e sempre sentindo uma angústia dentro de mim. Mas uma coisa engraçada aconteceu... na verdade para mim 2011 não terminou na noite de réveillon, ele se perdurou até o dia 14 de janeiro. Acontece que, como eu disse, nos últimos dias do ano eu gosto de planejar cada detalhe do que está por vir, mas em 2011 eu não podia fazer isso porque eu estava esperando o resultado do vestibular, e todo o meu 2012 dependeria dele! Se eu não passasse eu teria que procurar cursinhos, fazer horários de estudos, me disciplinar, chorar muito com toda a pressão novamente... E se eu passasse... Ah! Eu teria que me mudar pra Recife, eu iria ingressar na universidade que eu sempre sonhei, iria conhecer pessoas novas, iria conhecer todo um mundo novo, teria que mudar minha rotina e meus estilos de vida... Enfim, dependendo do resultado que aparecesse no listão o meu ano de 2012 seria totalmente diferente, e chegar ao réveillon sem ter uma certeza de o que seria da minha vida dali pra frente é totalmente frustrante, assustador. Eu tinha a sensação de que não tinha controle algum sobre a minha própria vida. É tão assustador que eu rompi o ano chorando... de medo. Mas então, depois de mais 14 dias de angústia finalmente saiu o resultado: eu fui aprovada no vestibular de psicologia da UFPE. E foi só nesse dia que 2012 realmente começou pra mim.


Raspai minha sobrancelha e usei band-eid da Barbie. Nunca me senti tão feliz e aliviada na minha vida. Vi meus pais orgulhosos de mim. Vi meus amigos orgulhosos de mim. Tive que ir fazer a matrícula da faculdade lá em Recife e foi muito excitante entrar pela primeira vez naquele mundo totalmente diferente do que eu estava acostumava. Depois disso foi só relaxar... Porque eu coloquei a segunda entrada como preferência na hora do vestibular, para ai ter 6 meses de descanso depois de um ano tão pesado e desgastante como foi o meu 2011. E ai a universidade entrou em greve e os meus 6 meses de férias foram estendidos para exatamente 1 ano. E durante esse tempo de férias prolongadas eu fiquei todos os dias – o dia todo – de pijama, só levantava da cama – e do computador – pra ir comer ou ir no banheiro. Não viajei, não saí de casa, não fiz nada de cultural ou proveitoso, fiquei apenas assistindo séries atrás de séries. Mas eu fiz coisas proveitosas durante esse período também.
Em janeiro eu fui para o Bote Fé Recife, um evento para acolher na cidade a Cruz da Jornada Mundial da Juventude. Foi uma aventura que começou de meio dia e terminou depois da meia noite aonde eu incrivelmente tive pique para acompanhar tudo (quilômetros de caminhada a pé e no sol quente, e depois pular em shows de bandas católicas) em forma de agradecimento pela aprovação no vestibular.
Em fevereiro eu fui pra um retiro de carnaval incrível na Comunidade da Restauração em Caruaru.


Em março eu comecei a namorar com o homem mais perfeito e utópico do mundo, e futuramente vou me casar com ele, escrevam isso.
No comecinho de abril minha avó teve um sério problema em sua mão e passou quase um mês internada no hospital, e eu fiquei lá cuidando dela.
Em maio eu fiz 18 anos, abandonei a menoridade e me tornei uma adulta responsável e blá blá blá. Ou seja, arrumei um emprego! Trabalhei como redatora na empresa Ihaa Networks por 7 meses, até que fui obrigada a sair quando as aulas começaram.


Em junho eu vi mais uma vez o meu grande ídolo Christian Chávez! Passei vários minutos conversando com ele, tirei uma foto e ainda assisti o show mais incrível e lindo e emocionante de todos.
Em julho eu dancei em uma quadrilha da igreja com meu namorado. Foi a primeira quadrilha dele e por isso foi muito legal.
Não consigo lembrar de nada interessante o suficiente para falar aqui sobre agosto ou setembro.


Em outubro eu organizei o primeiro encontro do meu fã clube de Christopher, o Uckers Recife. Nós fizemos uma festinha pra o aniversário dele, com direito a bolo e brigadeiro Somos e até um sorteio do CD dele. E foi uma experiência muito legal porque eu interajo com os fãs de RBD – e de Christopher – de Recife há anos mas nunca havia participado de um encontro. E neste mesmo fim de semana eu encontrei pela primeira vez com os meus futuros colegas de classe. Conheci Júnior, Danilo, Marília, Mariana e Fabíola.


Em novembro teve a comemoração do Dia Mundial do RBD lá em Recife e eu estava na comissão de organização... E FOI SIMPLESMENTE INCRÍVEL! Eu fui a apresentadora do evento, revi um milhão de amigos que só vejo nessas ocasiões, tive muito estresse mas no final tudo foi recompensado porque deu tudo certo e o evento foi lindo e inesquecível e todos já querem um igual para o ano que vem. Estou tão feliz com isso!


E finalmente dezembro... Me mudei para Recife (finalmente), comecei minhas aulas na faculdade, conheci pessoas, fiz amigos, aprendi a me virar sozinha, peguei o ônibus errado algumas vezes, aprendi a gostar da comida do RU, quase perdi um livro da biblioteca, e depois das três semanas de aula que tive eu já posso dizer que o curso é incrível, que eu estou completamente fascinada e ainda mais apaixonada por psicologia.

E para 2013? Eu ainda não parei exatamente para pensar como será meu próximo ano. Já sei que ele será de muitos estudos puxados na faculdade, onde eu quase não terei férias (resultado da greve). Sei também que em 2013 eu vou para a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, e talvez eu vá para o Rock in Rio também. Mas eu queria mais que isso... queria planejar mais coisas... Vocês assistiram àquele programa que passou esses dias na televisão, “Como aproveitar o fim do mundo”? Eu não vi. Mas no dia do último episódio minha avó estava assistindo e eu estava sentada ao lado dela mexendo no notebook, e acabei achando interessante a abordagem do programa, e na última cena a garota gritou “Vamos aproveitar o fim do mundo” e então eu fiquei refletindo um pouco sobre isso. Aproveitar o fim do mundo. Fazer tudo o que você tem vontade de fazer antes que o mundo acabe. Viver intensamente. Eu não acredito nessas profecias de fim do mundo, mas porque não posso também aproveitar um ano como se realmente fosse o último? E então eu pensei em quantas coisas eu poderia ter feito durante minhas longas férias de 2012 se eu tivesse decidido aproveitar o fim do mundo. E se o mundo realmente tivesse acabado no dia 21 de dezembro eu teria morrido sem ter vivido inúmeras experiências que eu desejaria. Claro, algumas eu preciso de tempo e muito dinheiro, como por exemplo me casar e viajar para a Inglaterra. Mas outras são tão simples acessíveis, e eu só não fui atrás delas ainda por comodidade mesmo... Então eu decidi isso para o meu 2013: aproveitá-lo como se fosse o fim do mundo, de novo. Como se no dia 31 de dezembro realmente fosse haver uma chuva de meteoros ou um apocalipse zumbi. E afinal de contas o mundo pode não acabar, mas eu também posso morrer antes disso. Um acidente, um assassinato, uma doença... Eu não sei o dia que vou morrer. Pode ser daqui a 70 anos, mas também pode ser amanhã. E eu não quero ir embora sem ter vivido tudo o que eu desejava. Por isso eu quero também fazer este convite a você que teve saco de ler esse post gigante até o final e concorda com minha linha de pensamento:
Vamos aproveitar 2013 como se fosse o último ano de nossas vidas?

sábado, 8 de dezembro de 2012

Diário #26

Hoje está fazendo exatamente oito dias que eu me mudei para a capital do meu estado, Recife. Desde que eu tenho memória eu desejava um dia terminar o colégio, me mudar pra cá e estudar na Universidade Federal de Pernambuco. E tempo passou e eu lutei por meus objetivos, e em janeiro recebi a notícia de que eu havia sido aprovada no vestibular da UFPE para cursar psicologia. Nada poderia me deixar mais realizada... Mas enfim, eu escolhi segunda entrada (apesar da minha nota ter dado pra entrar na primeira tranquilamente) porque eu precisava de um bom tempo de descanso. E então as universidades federais do país entraram em greve e eu acabei tendo exatamente um ano de férias! Bom, então, depois de muita confusão e aflição, minhas aulas finalmente começaram no dia 03/12/12. No sábado os meus pais, meu irmão e meu namorado vieram me trazer para minha casa nova. Estou morando no apartamento da minha avó, com mais dois tios e uma priminha de quase 5 anos de idade. Eu vou ter um quarto só para mim aqui, mas por enquanto ainda não posso me estabilizar nele, pois fica ao lado do banheiro, e a parede está com um vazamento do cano do chuveiro. E o problema vem do cano do apartamento de cima, e só poderemos concertar o vazamento daqui quando o vizinho de cima concertar o dele, ou seja, não temos previsão de quando o meu novo quarto estará habitável. Enquanto isso eu estou dividindo quarto com minha avó e meu tio, e isso é um saco porque eu preciso do meu lugar. Mas vamos ser otimistas e acreditar que esse problema logo se resolverá, e vamos nos focar no que realmente é importante de tudo isso.
Bom, eu passei minha vida inteira me preparando para este momento, e eu me julgava madura para passar por tudo isso, mas na verdade eu não estava. E eu pensava que estaria super segura e não me importaria com o fato de estar saindo da casa dos meus pais, mas quando eles me deixaram aqui e foram se despedir para ir embora eu comecei a chorar. Não sei por que, mas chorei bastante na hora de abraçar eles. E principalmente quando fui me despedir de Bruno, nessa hora meu coração ficou em pedacinhos. E depois que eles foram eu continuei a chorar embalada pelas músicas de Adele que são perfeitas para estes momentos. E eu fiquei pensando... tudo o que eu sempre quis estava acontecendo, então porque eu estava tão triste? Por que eu estava chorando? Eu imaginei que seria algo fácil de lidar, que eu nem ia ligar pois a ansiedade para a faculdade falaria mais alto. Mas não. Por alguns minutos tudo o que eu desejava era voltar pra casa com eles e deixar a faculdade pra lá. Mas tive que me segurar e erguer a cabeça, pois no outro dia tudo iria mudar... seria o primeiro dia do resto da minha vida.


A faculdade! Como começar a falar deste lugar que eu tenho certeza que será a melhor e pior época da minha vida? Incrível! Bom, eu já conhecia grande parte da minha turma, pois durante o longo tempo de férias que tivemos nós criamos um grupo no facebook para irmos socializando antes das aulas começarem. A pessoa de quem eu mais me aproximei nesse meio tempo foi uma menina chamada Luza, que adivinhem, também é fã de RBD! hahaha. Mas enfim, cheguei lá no meu primeiro dia ao lado de Rafael, pois ele é uma das pessoas que esteve mais envolvida em todo este meu processo de ingresso na universidade e grande parte dos meus desejos era estar ali e dividir todo esse universo com ele. Enfim, me senti mais segura e cofiante sabendo que eu não estava sozinha neste novo mundo que eu estava descobrindo. E quando cheguei na minha sala, apesar de já conhecer a maior parte das pessoas foi como se não conhecesse. Todos estavam meio tímidos e tinha também muitas carinhas que eu nunca tinha visto. Fui conhecendo todos aos poucos e estou naquela fase de adorar todo mundo. Todos os alunos, todos os professores, todos os monitores... enfim todas as pessoas com quem eu tive contato de lá até agora pareceram serem legais e interessantes. Não teve ninguém pra eu dizer que não fui com a cara. Até mesmo a professora de sociologia! HAHAHA. E sobre as cadeiras que eu estou pagando, são sete ao total! Sim, sete cadeiras obrigatórias no primeiro período!!! Introdução à psicologia, psicologia diferencial, psicologia genética, genética humana, neuroanatomia, fundamentos da sociologia e introdução à filosofia. Até o momento eu estou adorando todas, com exceção de neuroanatomia porque tenho que decorar cada nomezinho chato e estranho dos ossos do crânio e medula espinal. Mas há quem diga que quando começarmos a mexer em cadáveres a matéria vai ficar muito interessante - eu duvido bastante disso. Não consegui definir ainda minha cadeira preferida deste período, todas pareceram ser ótimas, estou estudando tudo aquilo que eu sempre adorei. Claro que é muita coisa pra ler, mas como disse Rafael os assuntos são tão interessantes que você lê as fichas por interesse, e não por obrigação.
E agora entra a minha observação sobre este mundo novo... bom, não me pareceu nada novo na verdade porque meu namorado e meu melhor amigo já estudavam na UFPE e já tinham me contado todas as coisas novas que eu iria ver esta semana. Mas mesmo assim, eu passei por experiências bem malucas e até um pouco desesperadoras esta semana... como pegar dois ônibus errados na volta pra casa e ir parar em um lugar totalmente distante do meu destino, perder um livro da biblioteca e ficar desesperada até encontrar e até mesmo me perder dentro do campus, que é enorme e deserto, e ficar com medo de ser estuprada a cada passo que dava. E em meio a tudo isso eu como futura psicologa me pegava obsersando observando os comportamentos - meus e das outras pessoas. Principalmente das pessoas que eu encontro na parada em que espero o ônibus para voltar para casa. Acontece que eu estudo no Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH), e bem ao lado do meu prédio fica o Centro de Artes e Comunicações (CAC), ou seja, as pessoas mais bizarras de toda a universidade esperam o ônibus na mesma parada que eu. E quando eu digo bizarras é desde gente com tatuagens no rosto, cabelos coloridos e milhões de piercings até outras pessoas que andam parecendo mendigos. Sandálias de couro, calças e blusas largonas, cabelos em rastafari ou totalmente soltos ao vento no estilo hippie. Acreditem ou não, vi até um homem descalço! Mas não sei se estava assim porque realmente adotava esse estilo de vida ou porque o chinelo tinha torado ou algo do tipo. Ao lado dos prédios sempre tem umas feirinhas de artesanatos, e eu vejo lá um monte de gente com o estilo hippie alternativo e meio mendigo e fico me perguntando "perai, esse ai é aluno ou vendedor de artesanato?". Sei que parece uma visão preconceituosa, mas poxa, eu cresci no interior e lá essas coisas não existem. Uma criancinha do interior que passasse por uma pessoa assim na rua iria ficar com medo. E ao contrário da maioria das pessoas de lá, eu não os olho discriminando. Os olho com curiosidade mesmo, porque realmente nunca havia visto pessoas assim pessoalmente. E até admiro o estilo de alguns, ou melhor, de quase todos. Durante essa semana eu fui para a faculdade toda arrumada, me inspirando nas universitárias que eu costumava ver em Caruaru, que iam todas maquiadas e com roupas arrumadinhas e tal... Separei as melhores roupas do meu guarda roupa pra trazer pra cá, mas chego lá e me deparo com todo mundo no estilo largadão e penso "não tenho roupa pra ir pra faculdade"... fico até me sentindo um ET em meio a todas essas pessoas que, de onde eu vim, seriam consideradas os ETs. E eu acho tudo isso tão interessante e tão legal e tão curioso... acho que alguns até estão me achando uma maníaca por ficar o tempo inteiro observando quando alguém passa. E eu não sei ser nada discreta, acabo virando a cabeça e seguindo a pessoa com o olhar mesmo. Mas eles que se acostumem, pois eu sou uma psicóloga em formação e é meu dever observar as pessoas mesmo. Só preciso aprender a fazer isso de maneira mais discreta né...
Estou ansiosa para minha próxima semana de aula, para conhecer novas pessoas e novos estilos e novos pontos de vista da psicologia. Estou ansiosa para viver inúmeras outras experiencias universitárias que eu ainda não vivi - e não estou falando da vida loka com drogas lícitas e ilícitas, pois eu já tenho um conceito bem formado sobre tudo isso e não pretendo chegar nem perto dessas coisas. Mas ainda existem tantas outras coisas nesse universo maluco pra eu descobrir... e posso ir com calma, pois ainda tenho 5 anos para isto.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O problema das listas


Passei os últimos dias triste, muito triste. Chorava o tempo inteiro, sentia um aperto no coração e uma sensação de que algo estava muito errado. Faltam quatro dias para minhas aulas na faculdade começarem, e dois dias para eu me mudar. Estou tão ansiosa pra isso, começar uma nova rotina, conhecer gente nova, estudar sobre a coisa que mais me fascina no mundo - psicologia! Esperei por minha vida inteira esse momento chegar! Desde que eu tinha 4 anos (ou talvez menos) eu já havia decidido que era isso o que eu queria para minha vida, e mal via a hora de acontecer. E agora que está tão próximo eu me sinto tão... desesperada! Desesperada primeiro porque eu não quero me mudar e deixar meu namorado aqui. Criei uma certa dependência dele que eu achava que nunca criaria por homem nenhum. E segundo, não quero que as aulas comecem porque ainda quero fazer muitas coisas antes disso! No meu último ano de colégio eu estudei como uma condenada, não tinha tempo para fazer absolutamente nada do que eu adorava fazer, como por exemplo passar o dia inteiro na internet. E então eu resolvi colocar segunda entrada no vestibular para ter férias prolongadas e poder fazer tudo o que eu quis fazer e não pude o ano inteiro. Eu ia ler um milhão de livros, escrever um bilhão de textos e assistir um zilhão de séries. Eu ia levar o blog a sério, legendar Kdabra e ler quantas web novelas eu conseguisse! Fiz uma lista com tudo isso. E então minha universidade entrou em greve e eu tive as férias prolongadas ainda mais. Planejei viajar, aprender a falar inglês, emagrecer, melhorar meus dotes culinários. Planejei fazer tudo o que eu sempre quis fazer, pois eu sabia que quando minhas aulas começassem eu teria que me focar nos estudos, e não teria mais tempo para nada disso. Esta semana está fazendo exatamente um ano que eu estou de férias, e o que eu fiz? Nada. Nem metade de cada item que planejei. E Talvez esse seja o meu maior erro... eu planejo de mais! Eu planejo cada dia da minha vida, fazendo uma lista com tudo o que eu devo fazer nele. Planejo cada momento. Não sei viver na espontaneidade, no "deixa acontecer". E o que me mata a cada planejamento é a regra número um deles: nunca dão certo. Porque na hora H sempre sai algo diferente do que imaginamos, e isso leva todos os plano pelo ralo. E eu sei que é assim, e mesmo assim continuo planejando e me decepcionando cada vez que não consigo fazer o riscar todos os itens da lista. Chego a chorar por não cumprir uma meta que eu desejava tanto. E é isso o que eu tenho feito a semana inteira: chorar. Por ver que meu tempo está acabando e eu não poderei riscar um item se quer da lista de planos para as férias. E eu fico tão triste e tão chateada e tão decepcionada quando não consigo realizar minhas próprias metas. Me sinto incapaz. E se tem uma coisa que me deixa extremamente arrasada é esse sentimento de incapacidade. Minha vida inteira eu sempre fui a "foda", conseguia fazer tudo ao mesmo tempo, assumia mil e uma responsabilidades e desde os 13 anso eu já tinha o mesmo ritmo de vida de um empresário. E todos me admiravam ou invejavam por isso. E eu me sentia bem sendo assim. Quando foi que as coisas mudaram? Quando foi que eu fiquei tão insegura? Quando foi que eu deixei de ser aquela garota que um dia o professor de português disse pra mãe "Ela é incrível, tudo o que ela quiser ter na vida vai conseguir"? Eu sempre fui o tipo que quer abraçar o mundo com as pernas. Minha vida inteira eu sempre tentei fazer mais coisas do que a maioria é capaz. Do que eu sou capaz. Só que ao longo do tempo eu fui aumentando em progressão geométrica minha lista de deveres e obrigações, enquanto o meu tempo tem diminuído em progressão aritmética. Eu sei, é normal querer fazer mais coisas do que você pode, mas não é normal ficar tão arrasada assim quando chega o resultado que você já esperava: o fracasso. Não aguento mais chorar e ficar tão decepcionada por algo que eu já sabia que iria acontecer desde quando resolvi começar a fazer. Por diversas vezes pensei em desistir de algumas coisas para conseguir fazer outras, mas simplesmente não consigo. Pois amo de mais tudo isso que quero fazer e não consigo abdicar de nada. E isso é triste, e isso me mata aos poucos. Eu preciso encontrar uma solução para isso, antes que eu acabe perdendo a melhor fase da minha vida apenas por querer mais do que eu posso ter. Pode ser tarde de mais para eu terminar minha lista de férias, mas não é tarde de mais pra eu... sei lá... mudar de vida. Talvez começar uma outra lista, onde terá apenas um único item: - Não faça mais listas!!!

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

The New Normal


Esta é uma das séries de comédia que estreou nesta temporada e na minha opinião é simplesmente a melhor de todas as estreias. Criada por Ryan Murphy (o mesmo de Glee), a série aborda a história de um casal gay que decide ter um filho, e procuram pela mulher perfeita para lhes servir de barriga de aluguel. Com um humor delicioso, a série te arranca risos o tempo inteiro.
Goldie (Georgia Kinh) foi a mulher escolhida como barriga de aluguel, e ela e sua filha Shania acabam criando um forte laço com o casal David (Justin Bartha) e Brian (Andrew Rannells), acabam tornando-se uma espécie de família, até aparecer Nana (Ellen Barkin), a avó de Goldie, e fazer de tudo para acabar com essa relação deles.
Nana é extremamente preconceituosa e defende de todas as maneiras possíveis o casamento apenas entre homem e mulher. Ela sempre faz para Brian e David comentários preconceituosos e piadinhas de humor negro a respeito do homossexualismo, e o mais engraçado é ver como eles simplesmente não se importam, pois entendem que ela é uma pessoa de mente fechada e apenas ignoram os ataques que ela faz.
Para nos fazer dar ainda mais gargalhadas, temos algumas cenas com a presença de Rocky (Nene Leakes, a Black Sue de Glee *-*), que é a secretária de Brian e sempre tem um comentário engraçado a fazer sobre qualquer coisa. 


Mas o que mais me fez apaixonar pela série não foi a temática, os personagens ou o humor, foram as cenas românticas entre David e Brian que sempre aparecem ao final de cada episódio. Geralmente eles passam o dia inteiro lutando contra o preconceito das pessoas, contra os impasses na relação e às vezes tendo aquelas famosas briguinhas de casal, mas no final eles sempre param para conversar e demonstrar como o amor que um sente pelo outro é gigante e como ele é capaz de superar qualquer coisa. É uma demonstração de amor tão linda e forte que sempre me deixa com os olhos cheios de lágrimas. E olha pra eu ficar emocionada assim é difícil. Eu nunca vi nada parecido com o relacionamento deles dois entre nenhum outro casal, hetero ou homo, em nenhuma outra série.
Não é uma série apelativa como Glee, não se esforça para ser fofinha e nos deixar fazendo "onw" o episódio inteiro. Nas risadas vêm espontaneamente, e a história acaba nos prendendo e fazendo querer assistir mais e mais, como se nunca fossemos nos cansar dessas pessoas.

sábado, 3 de novembro de 2012

Meme Mixtape

Roubei esse meme da Nayla do The Queen Land, achei intererrante e resolvi fazer aqui... algumas músicas foram difíceis de achar, enquanto outras já estavam na ponta da língua. Enfim, vamos lá.


(regras na esquerda respostas na direita)

O nome da mixtape deve ser uma frase de um filme: "Coincidência. É tudo o que é. Nada mais do que coincidência." - 500 Days of Summer
  1. Uma música pra animar pela manhã: Libertad - Christian Chávez ft. Anahí
  2. Uma música que é perfeita para um dia de chuva: I Wanna Be The Rain - RBD
  3. Uma música que lembra sua infância: Ragatanga - Rouge
  4. Uma música que está entre as suas melhores de todos os tempos: Perfect - Simple Plan
  5. Uma música feliz: Firework - Katy Perry
  6. Uma música descoberta em um filme: Safe & Sound - Taylor Swift (Jogos Vorazes)
  7. Sua música favorita dos Beatles: I Want To Hold Your Hand
  8. Uma música de um dos primeiros discos que você lembra ter ouvido: Que Paí É Esse - Legião Urbana (Que País É Esse)
  9. Uma música cover: She Will Be Loved - Boyce Avenue feat. Tiffany Alvord
  10. Uma música de uma banda que você não gosta, com exceção dessa: Desde Quando Você Se Foi - Fresno
  11. Uma música do último CD que você comprou/ganhou: Quem Sabe - RBD (Celestial Brasil)
  12. Uma música que você descobriu numa playlist que alguém te deu: Sticks and Stones - Aly and AJ (Playlist do The Queen Land)
  13. Uma música triste de amor: Alergico - Anahí
  14. Uma música sobre uma garota: Natasha - Capital Inicial
  15. Uma música sobre um garoto: Sexy Boy - Christian Chávez
  16. A música favorita do seu ex (sua ex): Vem andar comigo - Jota Quest
  17. Uma música com a palavra ‘Don’t” no título: Don't Tell Me - Avril Lavigne
  18. Uma música com uma cor no título: Yellow - Coldplay
  19. Uma música estranhinha mas fofa: Secret - The Pierce
  20. Uma música que faz você sorrir ao ver céu azul num dia de sol: (I've Had) The Time Of My Life - Glee Cast

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Theories about Pretty Little Liars


Então, como todos vocês já devem saber, eu sou louca por Pretty Little Lias! Essa é de longe a minha série preferida da vida inteira, e eu simplesmente enlouqueço a cada episódio, criando em minha cabeça um zilhão de teorias sobre os mistérios que rodeiam as Liars. Mas são tantas as teorias que eu me perco em meus próprios pensamentos, então como eu amo escrever, decidi criar um blog onde eu vou postar tudo o que penso a respeito dos mistérios de cada episódio de PLL, assim conseguirei organizar melhor minha cabeça, e também tenho a opção de reler minhas próprias teorias depois e ver onde eu estava certa e errada.
Para quem gosta da série e se interessa em ler teorias, sinta-se convidado a acompanhar o blog. Eu tive a ideia de reassistir todos os episódios - a partir do piloto - e tentar ver as pistas que nós deixamos passar, já que quando revemos algo depois de saber a verdade nós estamos vendo com outros olhos. Por exemplo, será que Toby sempre foi do -A Team, ou se juntou a eles depois? Pretendo analisar bem episódio por episódio para tentar descobrir coisas desse tipo. Se você quiser se juntar a mim nessa maluquice então é só acessar o blog:

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Diário #25

Um mês sem postar, eu sei... Tenho andado bastante ocupada com meu trabalho, viagens e vários eventos que eu estive/estou organizando esses dias. Um deles foi o aniversário do meu ídolo, Christopher von Uckermann, no último domingo. O que poucos sabem é que eu sou diretora do único fã clube oficial dele em Pernambuco, o Uckers Recife. Então eu e as outras diretoras lindas do FC organizamos um evento para comemorar o aniversário de 26 aninhos dele e convidamos todos os fãs... cantamos parabéns, sorteamos entre os participantes um CD dele, fizemos um Quiz com perguntas sobre a vida dele valendo o primeiro CD da banda Rouge, conversamos, rimos, cantamos, tiramos foto, gravamos vídeos, quase fomos expulsos do shopping... enfim, foi lindo.


Brigadeiros fazendo cosplay da capa do CD Somos dele, pfvr um amor!



Enfim, depois do evento eu fui voltar pra casa e passei por um momento bem desesperante. Pela primeira vez na vida tentaram me assaltar! Claro que eu, uma menina do interior, não estou acostumada com essas coisas. Estava eu no ônibus voltando pra casa com uma amiga, nós estávamos sentadas no bando que fica em frente a porta de desembarque. Ai primeiro o ônibus parou e um monte de meninos subiram no ônibus, todos vestiam a camisa da torcida do Náutico, e começaram a gritar coisas como "vamos quebrar tudo", ai eu fiquei morrendo de medo deles fazerem um arrastão lá, né? Já fui julgando. Eu estava sentada, com a bolsa no meu colo e as duas mãos envolvendo-a, e quando o ônibus parou em uma parada e abriu a porta, de repente eu senti alguém puxar a alça da minha bolsa com força. Primeiro eu segurei com força a bolsa contra mim pra não deixar levarem, depois eu pensei que era algum dos trombadinhas da torcida do náutico, e então olhei pra trás e vi que não era. Era um outro rapaz, com aparentemente 18 ou 19 anos, uma camisa marrom. Não consegui olhar o rosto dele. E então eu dei um grito abafado, bem curtinho, mais de susto mesmo. Mas foi o suficiente para as pessoas perceberem o que estava acontecendo. E então os meninos da torcida do náutico que eu havia julgado mais cedo seguraram o ladrão e o puxaram para longe de mim. Então ele se soltou, desceu do ônibus e foi embora correndo, enquanto os meninos que me salvaram ficaram gritando obscenidades para ele. O motorista fechou a porta com rapidez e deu a partida no ônibus, então foi que eu percebi que tinha acabado. Olhei para minha bolsa e ela estava lá, intacta. Senti meu coração acelerado. Minha amiga disse "Tu tá tremendo! Ele te machucou?" Tive que conferir, pois não sabia se ele havia me machucado. Estava em um estado de choque tão grande que não sentia dor no momento, só meu coração acelerado. Olhei em volta e todos do ônibus me olhavam assustados. Eu respirei fundo, fechei os olhos e tentei me acalmar. Minha amiga falou "tu tá bem, nem chorasse" e eu pensei que poderia começar a chorar a qualquer momento. Mas não chorei. Ouvi um dos meninos que me defendeu falar "se ele tivesse pegado a bolsa eu ia correr atrás dele pra pegar de volta" e então me senti extremamente mal por ter julgado eles mais cedo, achado que eles seriam marginais quando na verdade eles quem me salvaram.
Pouco tempo depois (menos de cinco minutos) a minha amiga avisou que havia chegado a minha parada. Eu estava tão perturbada que nem prestei atenção, apenas desci sem nem agradecer aos meninos que me salvaram. Depois que o ônibus foi embora eu percebi: havia descido na parada errada. Voltei a ficar nervosa e meu coração acelerou muito de novo. Estava escuro e deserto, e eu havia descido uma parada antes. Prendi minha bolsa entre minhas mãos trêmulas e comecei a andar em direção à minha casa. Foram apenas alguns metros mas eu estava assombrada com minha própria sombra, tremendo e morrendo de medo de todo carro/pessoa que passava por mim. Até que cheguei em casa e finalmente comecei a me acalmar e verdade. Foi sem dúvidas uma experiência traumatizante, mas pouco tempo depois eu estava dando risada do que aconteceu. Graças a Deus o ladrão não levou minha bolsa, e o mais importante de tudo não me machucou. Mas sem dúvidas terei muito mais cuidado daqui para frente, já que a criminalidade de Recife é enorme. Na verdade eu tenho muita sorte de já ter 18 anos nas costas e nunca ter sido assaltada, do jeito que as coisas andam nessa cidade. Sentar na cadeira em frente da porta de desembarque nunca mais! hahaha

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Metade de um ano


Seis meses. Metade de um ano! É incrível como parece que já estamos juntos há seis anos, e ao mesmo tempo tenho a sensação de que faz apenas seis dias que nos beijamos pela primeira vez. Mas fazem seis meses.
E foram os seis meses mais felizes da minha vida, sem sombra de dúvidas. E devo tudo isso a você, que é mais que um namorado pra mim. É um companheiro, um amigo, um confidente... encontrei em você TUDO o que eu buscava, e espero que eu nunca te perca, pois sei que não encontraria outra pessoa no mundo que tenha tudo o que você tem. E mesmo que eu encontrasse eu não iria querer, pois essa pessoa não seria você. É você que eu amo, é você que eu quero comigo para sempre. Só você e mais ninguém.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Diário #24

Oi pessoas! Passei a semana inteira sem postar porque viajei. Estive em Vertentes, à compromissos judiciais e para passar algum tempo com meu namorado lindo que há pouco tempo virou o leitor número um do meu blog, mesmo nunca comentando por aqui hahaha.
Acontece que meu título de eleitor está cadastrado lá, e eu tive o azar de ser convocada pela Justiça Eleitoral para ser mesária nestas eleições. Minha primeira eleição e já sou sorteada, quanta sorte! Enfim, na terça feira (28) eu tinha que me apresentar no fórum da cidade para um treinamento de mesários, e como não sou besta fui pra Vertentes logo na segunda para ficar um tempinho com meu namorado. Pretendia voltar para Caruaru na quarta, mas houveram umas mudanças de planos e eu acabei ficando lá até ontem. Queria ter ficado por mais tempo, mas infelizmente estava hospedada na casa dos meus avós, e não aguentava mais passar um dia naquela casa! Não me levem a mal, amo eles de mais e faço de tudo pra os ver felizes. Mas tem horas que eles são muuuuuuito chatos, vivem brigando o tempo inteiro, por besteiras, e eu simplesmente não suporto os ver discutindo 25h por dia e reclamando de cada coisinha de sua rotina. Enfim, a convivência com eles deve ser moderada, e passar 8 dias é sem dúvidas exceder a dose. Quando ouvia a voz da minha avó xingando o meu avô eu tapava os ouvidos e sentia que ia explodir.
Mas enfim, passei 8 dias lá, namorando e trabalhando. Meu namorado utópico finalmente colocou internet em sua casa viva! e por isso eu pude ficar lá sem me preocupar em atrasar meus artigos. De manhã eu ia para a casa ele, ficava lá escrevendo os artigos enquanto ele ia trabalhar. Ele voltava, nós almoçávamos juntos - na casa dele ou da minha avó - e depois passávamos a tarde e noite toda juntinhos, matando as saudades.
Assistimos juntos um filme que eu fiquei querendo me matar por ter demorando tanto tempo para assisti-lo. Meia noite em Paris, simplesmente fascinante! Essa é a palavra que define este filme para mim. Paris dos anos 20, as ruas, as pessoas, as comidas, a arquitetura, os objetos de decoração... tudo o que não está ligado à moda e coisas fúteis. Nunca fui muito "fã" de Paris nem tive aquele desejo que todos têm que um dia ir lá, mas depois de assistir este filme eu desejei isto imensamente. Mas não para ir ver o arco do triunfo ou a torre eifel - que mal aparecem no filme, o que me deixou imensamente satisfeita - e sim aquelas outras características da cidade luz que são idolatradas pelo protagonista. Mas o que mais me fascinou foi a oportunidade do escritor poder encontrar seus grandes ídolos da literatura, bater um papo com eles, conviver, saber como eram suas vidas, e ainda pedir suas opiniões a respeito das coisas que eles escrevem. Eu, como escritora iniciante, fiquei babando nisso, claro, e desejando loucamente ter esta oportunidade.
Enfim, voltando a falar sobre a minha semana, encontrei com Rafael, Carol, Izabel e Izabela, conversamos bastante, matei um pouco das saudades deles. Observei os movimentos típicos da politicagem de cidade pequena, que sempre me fazem rir. Fui à missa do circo, cantei no coral da igreja de novo (que saudaaaaaaaaaaaades disso *-*) e descobri que uma réplica da Cruz da JMJ vai para Vertentes, e imediatamente fui colocada na equipe que irá organizar o evento para receber a Cruz. Fiquei feliz por isso :)


No sábado fez cinco meses que Bruno me pediu em namoro, e para comemorar resolvemos fazer um jantar bem especial. A receita escolhida foi esta aqui de panqueca americana. A receita é bem simples, fácil de fazer e os ingredientes todos têm em casa. A primeira panqueca foi difícil de fazer, mas a partir da segunda eu já consegui pegar o jeito e até que ficaram bonitinhas. Comemos algumas com mel e outras com leite condensado, e ambas são gostosas, não sei dizer qual é mais. Com mel ficou um gosto super suave, mas bem característico, delicioso. E leite condensado é indiscutível, não é? Também deve ficar ótima com Nutella, mas não encontrei no supermercado de lá.
Tanto eu como meu namorado tivemos a mesma conclusão a respeito das panquecas: esperávamos que fossem mais gostosas KKKKKK. É que o jeito que aparecem nos filmes dão uma água na boca, e ficamos imaginando que deve ser uma coisa de outro mundo, mas na verdade não é. É um sabor até comum, e como todas as outras comidas típicas dos Estados Unidos, não possuem um sabor extraordinário. Definitivamente culinária não é o forte deles, e eu não troco minhas tapiocas brasileiras por panqueca nenhuma. Mas enfim, pra quem é curioso vale a pena fazer essa receita só pra matar a vontade mesmo.
Enfim, essa foi minha semana em Vertentes, e apesar de estar aliviada por voltar para minha casa, minha cama, meu computador... espero voltar logo por lá para passar mais alguns dias assim.

sábado, 25 de agosto de 2012

101 coisas em 1001 dias



Estou copiando a ideia de Nayla do blog The Queen Land de fazer o projeto do 101 coisas em 1001 dias. Este projeto foi desenvolvido por Michael Green e promovido no Brasil por Patricia Muller. Consiste em uma lista onde eu escrevo 101 coisas que pretendo fazer, e tenho um prazo de 1001 dias para realizar todos os itens da lista.

Data de início: 25/08/2012 | Data de término: 23/05/2015 

001. Comprar toda a discografia de RBD
002. Juntar pelo menos 200 reais todo mês enquanto estiver trabalhando
003. Não reprovar em nenhuma cadeira no primeiro período da faculdade
004. Concluir as webs que já comecei
005. Ler todos os livros da minha lista de espera
006. Trazer minha prima Júlia pra passar as férias aqui em casa
007. Terminar de assistir Gilmore Girls
008. Me viciar em café
009. Comprar todos os livros de Harry Potter
010. Comprar todos os DVDs de Harry Potter
011. Viajar com meu namorado
012. Melhorar meu inglês
013. Comprar um celular novo
014. Ir à Jornada Mundial da Juventude
015. Visitar meus amigos de Surubim pelo menos 2 vezes por ano
016. Ir a Vertentes pelo menos uma vez por mês
017. Conviver mais com minha família
018. Me mudar para Recife
019. Ir em Santa Cruz conhecer Juuh
020. Colocar Candy pra cruzar e ter filhotinhos
021. Terminar de escrever as resenhas dos shows
022. Organizar minhas músicas no computador
023. Organizar meus vídeos no computador
024. Revelar mais fotos pra o meu mural de fotos
025. Ler sobre a psicologia da mentira
026. Fazer uma penitência na quaresma
027. Aprender a dirigir
028. Tirar carteira de motorista
029. Fazer um mural de sonhos e objetivos
030. Assistir novamente todos os episódios de Pretty Little Liars e fazer um reviw de todos
031. Preparar um projeto pra o concurso de Criação Literária de 2013
032. Jogar boliche com os amigos
033. Aprender a cozinhar as comidas do dia a dia
034. Tirar um dia na semana pra arrumar a casa, todas as semanas enquanto eu estiver morando em Caruaru
035. Tomar chimarrão
036. Assistir Harry Potter e as Relíquias da Morte parte 2 com Rafael
037. Encontrar um livro pra interesse em comum com Bruno
038. Renovar a lente do meu óculos
039. Comprar uma L.V. quando chegar em 100 x
040. Fazer mechas rosas no meu cabelo
041. Não quebrar meu celular novo ou comprar outro até o final dos 1001 dias
042. Fazer uma capsula do tempo
043. Instalar The Sims no meu computador
044. Assistir todos os filmes de Poncho
045. Ir com meu namorado em um lugar que quero ir
046. Fazer a semana P.S. Eu te amo
047. Ler pelo menos três romances clássicos da literatura brasileira
048. Comprar um colchão novo
049. Ler o artigo de Che está na minha cabeceira há meses
050. Ler o livro da segunda temporada de Rebelde
051. Gravar um vídeo pro blog
052. Aprender a andar sozinha em Recife
053. Viajar pra um lugar que eu nunca fui
054. Conhecer toda a família do meu namorado
055. Fazer um piquenique
056. Voltar a ter uma dieta saudável
057. Ir a uma cafeteria com Bruno e provar vários cafés diferentes
058. Não destruir meu notebook
059. Doar roupas e sapatos velhos para a caridade
060. Doar meus ursinhos de pelúcia para alguém que queria/precise
061. Não gastar dinheiro com futilidade
062. Continuar trabalhando quando as aulas começarem
063. Fazer um concurso
064. Finalizar três webs ainda este ano
065. Fazer uma comemoração ao aniversário de Christopher pelo Uckers Recife
066. Ir a mais um meet de Christopher
067. Meditar a liturgia diária durante todo o advento
068. Incentivar uma criança (ou Júlia) a ler Harry Potter
069. Jogar Paintball
070. Ser voluntária em alguma coisa
071. Pagar o dízimo todo mês enquanto estiver trabalhando
072. Ir para outro retiro (não necessariamente no carnaval)
073. Passar um mês indo à Missa da Graça toda quinta
074. Ir passar um dia na casa de Carol aqui em Caruaru
075. Não tirar dinheiro da minha poupança, a não ser que seja EMERGÊNCIA
076. Fazer uma planilha dos gastos da viagem à Europa
077. Fazer uma planilha dos gastos do meu casamento
078. Escrever uma carta para mim mesma, para que eu leia daqui a dez anos
079. Beijar Bruno na chuva (igual a cena de filme)
080. Fazer os sobrinhos de Bruno se afeiçoarem a mim
081. Baixar novos álbuns de artistas que gosto
082. Conhecer artistas novos
083. Fazer a carteira de estudante
084. Viajar com amigos
085. Conhecer e ouvir mais bandas de Rock
086. Ir a uma festa e só voltar no outro dia
087. Ir a uma boate
088. Fazer um S.T.
089. Ir a um show de uma banda que eu goste (que não seja de RBD)
090. Escrever um texto por semana para o The Queen Land
091. Comprar uma bolsa nova
092. Assistir o sol nascer
093. Baixar todos os vídeos do show de RBD em Recife e fazer um DVD
094. Baixar todos os vídeos do pocket de Christopher em 2009 e fazer um DVD
095. Assistir todos os vídeos de RBD que baixei
096. Comprar mais calças jeans
097. Comprar um novo material escolar
098. Estudar todos os dias que tiverem aula
099. Usar um anel de compromisso
100. Ler a Bíblia
101. Doar 20 reais para a igreja a cada item não cumprido da lista

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Apareci na Zine do #VoltaMundoBlogueiro


Lembram do post que eu fiz pra a postagem coletiva do blog Volta Mundo Blogueiro, Gosto, mas não assumo? Então, minha terceira confissão foi considerada simplesmente uma das 11 melhores entre as mais de 70 pessoas que participaram! E ai fizeram uma Zine com as campeãs e eu apareci! Levei um verdadeiro susto quando entrei e vi minha confissão lá, e bom do lado o meu nome e o nome do blog. Quase gritei, de verdade. E fiquei tão feliz, não sei porque... kkkkk enfim, só queria compartilhar isso com vocês.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

5 sinais de que você encontrou o amor verdadeiro

Eu tava navegando pela net procurando fontes pra escrever um artigo pra o trabalho, quando encontrei este texto aqui no Dicas de Mulher. Achei tão a minha nossa cara, que tive que postar aqui. Por que sim, eu percebi que encontrei meu amor verdadeiro, antes mesmo de 1 mês de namoro. E foi por estes cinco sinais citados no texto, e mais um zilhão de outros, que ficam piscando na minha cabeça a cada instante e me lembrando que eu encontrei o amor da minha vida. E não me importa o quanto isso parecer clichê e quantas vezes você vai pensar "ela vai ter mais uns 5 ou 6 amores da vida inteira antes de casar", EU sei o que sinto, e isso é o que importa. E sinceramente, eu realmente sinto que é diferente com ele. Já amei outras pessoas antes, já namorei, já fiz planos pro futuro com outra pessoa... mas NUNCA eu tive tanta certeza de algo como eu tenho com ele. Nunca tive a certeza de que alguém era o meu true love, nem que era ao lado dessa pessoa que eu iria passar o resto da minha vida. E agora eu apenas sinto.
Enfim, vamos ao texto...


5 sinais de que você encontrou o amor verdadeiro

Quando a gente ama, nosso corpo e nossas emoções nos entregam. O brilho nos olhos deixa qualquer um perceber o quanto você está “caidinha” por alguém. Veja a seguir alguns dos sinais que podem indicar que você encontrou o amor da sua vida.

1 – Vocês não se importam em “fazer nada” juntos
Quando você se sente tão bem com uma pessoa a ponto de vocês não se importarem de fazerem nada juntos, esse é um forte sinal de que vocês estão completamente apaixonados um pelo outro.
A intimidade e a cumplicidade de um casal que se ama de verdade vai além da “cerimônia” social que temos que ter com as outras pessoas: o dever de arrumar um assunto para preencher o vazio. Isso não é necessário quando os dois se amam. A companhia do outro é o suficiente para “rechear” o momento.

2 – Vocês não se sentem atraídos por outras pessoas
Outro sinal de que você encontrou o amor verdadeiro é quando as outras pessoas passam a não ser mais tão atraentes aos seus olhos. Quando um relacionamento chega nesse nível, acredita-se que a satisfação de um com o outro seja tão grande que as outras pessoas não são mais uma “ameaça” ao casal.

3 – Vocês são melhores amigos
Além do que já foi citado, quando um casal se sente a vontade um com o outro, consegue conversar sobre qualquer assunto e pode contar também um com o outro, ou seja, quando são verdadeiros amigos, está claro que há um forte laço de amor entre eles. Afinal, uma amizade verdadeira também implica em amor.

4 – Você se sente bem e realizada
Você se sente feliz? Sente que no lado amoroso sua vida está completa e você se sente satisfeita em relação a isso? Quando uma mulher se sente assim, não é porque o relacionamento é perfeito, afinal somos todos imperfeitos. Mas sim, porque o amor que une o casal é muito maior que qualquer defeito que o outro possa ter. E o mesmo acontece com o homem, quando ele ama de verdade uma mulher.

5 – Seu coração bate mais forte quando alguém fala dele
Sabe aquela sensação de tremor nas pernas, suor frio nas mãos e coração palpitante? Se isso acontece quando alguém fala do seu gato, este pode ser um forte sinal de que ele conseguiu conquistar seu coração e você encontrou nele o amor verdadeiro.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Gosto, mas não assumo

Peguei essa ideia no blog Volta, mundo blogueiro. A proposta é fazermos uma postagem coletiva, em que várias pessoas postam em seus blogs um post sobre o mesmo assunto. O tema escolhido foi "Gosto, mas não assumo", aonde devemos confessar alguma coisa da qual gostamos muito mas nunca tivemos coragem de contar para ninguém. Achei bem interessante e resolvi fazer aqui também. Selecionei três segredinhos meus e espero que não riam de mim nem me julguem.

• Ainda jogo jogos online para meninas


Tá, eu sou uma criança frustrada! Sabe quando chegamos a uma certa idade em que as bonecas não vão mais chamando tanto a atenção e nossos interesses mudam para garotos? Então, isso não aconteceu verdadeiramente comigo. Ainda hoje eu sou apaixonada por essas coisas da minha infância, por brinquedos, por bonecas... acreditam que sempre que eu vou ao Hiper ou às Lojas Americanas eu tenho que dar uma passadinha na sessão dos brinquedos pra ficar olhando os brinquedos de meninas e meus olhos ficarem brilhando? E quando eu era criança a internet ainda era uma exclusividade de poucos, por isso não existiam tantos sites assim. O único site divertido em que eu podia jogar algum jogo para meninas era o dolls.com e o site da Eliana que nem existe mais. Os dois eram pra ficar montando looks para bonecas. Enfim, naquele tempo tinha uma variedade tão baixa e muitas vezes eu ficava entediada de só ficar jogando sempre as mesmas coisas. Por isso quando eu descobri que existem sites de jogos online com uma infinidade de jogos para meninas, onde eu posso vestir bonecas, decorar quartos, fazer cabelo, maquiagem, unhas, essas coisas... eu simplesmente me viciei. Às vezes me dá saudade e eu começo a jogar e pronto, lá se vai a tarde todinha só com esses joguinhos bobos mas que eu amo só por causa dos gráficos fofinhos e pelo fato de serem o que eu queria mais não tive na minha infância.


• Amo a Barbie!


O meu brinquedo preferido era a Barbie, apesar de eu nunca ter tido nenhuma. Aliás, acho que sou tão fissurada na Barbie justamente porque nunca tive nenhuma, e sempre quis ter, mas quando eu era criança os meus pais não tinham a mesma condição financeira que têm hoje, então eu cresci ouvindo que a Barbie era um brinquedo caro de mais e que eles não podiam comprar pra mim. Então eu invejava cada amiguinha minha que tinha uma, e nas férias corria para a casa das minhas primas só pra ficar brincando com as Barbies delas. Enfim, minha vontade de ter uma Barbie era tão grande que ainda hoje eu nutro essa paixão secreta pelas bonecas. Quando vejo minhas priminhas brincando de Barbie eu sempre roubo delas só pra ficar olhando, movimentando os braços, fazendo paços de danças com a boneca. E me dói o coração quando as vejo destruindo o lindo cabelo da Barbie. E também adoro os filmes dela, todos - apesar de serem todos bobinhos e muito infantis - e de vez em quando entro no site da Barbie também, só pra matar as saudades. Inclusive, até os 14 anos o barbie.com.br era o site mais visitado no meu histórico.


• Vejo fotos sensuais no WeHeartIt


Tá, é estranho, principalmente levando em consideração as duas confissões anteriores. Um contraste e tanto em? Mas não é que eu gosto de ficar olhando pornografia ou nudez na internet. Longe disso. Eu apenas acho que tirar fotos sensuais sem transformar em pornografia é uma arte. Gosto de apreciar este tipo de arte, apreciar a sensualidade, as curvas do corpo, a criatividade na hora de tirarem esse tipo de foto... sei lá. Acho realmente legal essas fotos em que a mulher está expressando toda a sua feminilidade e sensualidade sem precisar de apelação.

87 coisas sobre mim



Nome completo: Anna de Cássia Pessôa de Lima
Data de nascimento: 25 de maio de 1994

Qual foi sua...
1. Última bebida: Água
2. Última ligação: Bruno
3. Última mensagem de texto: Victor Leal
4. Última música que ouviu: Bendito - Diego Torres

Você já...
6. Saiu com duas pessoas ao mesmo tempo? Não
7. Foi traída? Acho que sim
8. Beijou alguém e se arrependeu? Sim
9. Perdeu alguém especial? Sim
10. Ficou deprimida? Sim
11. Bebeu muito até passar mal? Não


Liste os seus três filmes favoritos:
12. Harry Potter e as Relíquias da Morte, parte 2
13. Antes Que Termine o Dia
14.  De repente 30


Desde o ano passado você...
15. Fez algum amigo novo? Não
16. Se apaixonou? Sim
17. Riu até chorar? Sim
18. Conheceu alguém que mudou a sua vida? Sim
19. Descobriu quem são os seus melhores amigos? Sim
20. Aprendeu alguma coisa importante, nova? Sim
21. Beijou alguém da sua lista de amigos do facebook? Sim


Geral:
22. Quantas pessoas do seu facebook você conhece pessoalmente? Acho que mais ou menos 70%
23. Você tem algum animal de estimação? Candy, a husky siberiana mais linda do mundo
24. Você mudaria seu nome? Não. Amo meu nome, acho ele o mais bonito de todos.
25. O que você fez em seu último aniversário? Trabalhei no segundo Circo de Vertentes.
26. Que horas acordou hoje? 5h45min
27. O que você estava fazendo ontem às 00:00h? Dormindo
28. Está assistindo algo no momento? Não
29. O que é algo que você não vê a hora de acontecer? Meu casamento
30. A última vez que você viu sua mãe? Alguns minutos
31. O que você gostaria de mudar em si mesmo? Tanta coisa...
32. O que você está ouvindo agora? Meu pai gritando com meu avô no telefone
33. Você conhece alguém que tem um nome muito estranho? Sandherlhius
34. O que mais te irrita? Falta de cultura
35. Página mais visitada na internet? Twitter
36. Apelido: Cassie, Anninha
37. Signo do zodíaco: Gêmeos
38. 1º grau: Concluído
39. Colegial: Concluído
40. Faculdade: A cursar
41. Cor do cabelo? Castanho médio
42. Comprido ou curto? Médio
43. De onde você é? Vertentes - PE
44. Altura? 1,73 mais ou menos
45. Você tem uma queda por alguém? Sou totalmente apaixonada pelo meu namorado. Isso conta?
46. O que você mais gosta em você? Meus ideais
47. Tem piercings? Não
48. Tatuagens? Não
49. Sabe dirigir? Não


Primeiras vezes...
50. Primeira cirurgia: Nunca fiz
51. O que comprou com o seu primeiro salário? Ingresso meet and gret pro show de Christian Chávez em Recife
52. Primeira melhor amiga: Izabela
53. Primeiro amor: Felipe
54. Primeira viagem com amigos: Um sítio no Ferraz com Izabel e Izabela


Ultimamente...
55. O que você tem visto na tv? Não assisto TV

56. Último filme que você viu? Quero matar meu chefe (reassistindo)
57. O que você tem comido? Tudo o que vejo pela frente
58. O que você tem bebido? Água
59. O que você vai fazer quando terminar de responder? Escrever um artigo do trabalho
60. O que você tem ouvido (música) ? RBD
61. O que você espera para amanhã?  Terminar o trabalho de Jussara


Seu futuro:
62. Quer ter filhos? Sim
63. Quer se casar? Sim
64. Carreira: Psicóloga


O que é melhor:
65. Lábios ou olhos? Olhos
66. Abraços ou beijos? Abraços
67. Mais baixos ou mais altos? Mais altos
68. Mais velhos ou mais novos? Mais velhos 
69. Romântico ou espontâneo? Romântico
70. Braços sarados ou pernas saradas? Pernas
71. Beleza ou inteligência? Inteligência
72. Relacionamento sério ou só diversão? Sério
73. Extroversão ou timidez? Extroversão


Você já...
74. Beijou um estranho? Não
75. Fumou? Não
76. Partiu o coração de alguém? Não
77. Teve seu coração partido? Acho que não verdadeiramente
78. Foi presa? Não
79. Beijou alguém do mesmo sexo? Não
80. Chorou quando alguém morreu? Sim



Você acredita em...
81. Você mesma? Sim
82. Milagres? Sim
83. Amor a primeira vista? Não
84. Paraíso? Sim
85. Papai Noel? Não
86. Na fada do dente? Não
87. Anjos? Sim

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Meu vestido de casamento!

Essa semana eu voltei a trabalhar! :D Mas não estou com um emprego novo, voltei ao meu antigo cargo de redatora na empresa iHaa Networks. Tá, eu sei que o último post eu falei um moooooonte de coisas sobre como estava feliz e aliviada de estar pedindo demissão, porque era coisa de mais pra escrever e eu estava enlouquecendo. Mas agora voltei com a proposta de fazer apenas a metade da pauta semanal que eu tinha, e receber também a metade do salário claro. Pensei bem e vi que como são menos artigos pra fazer, eu não ficaria tão sobrecarregada e poderia conseguir continuar trabalhando. E como dinheiro sempre é bem vindo... aceitei a proposta e voltei a trabalhar.
Ontem foi meu primeiro dia de trabalho, e eu passei a noite conversando com meu namorado por telefone sobre juntar o dinheiro que vou receber para investir no nosso futuro. Acho que todos sabem, pois eu comento o tempo inteiro, que eu quero me casar com Bruno, e ele também quer se casar comigo, e nós falamos sobre nosso futuro casamento o tempo inteiro. Já fizemos as contas de mais ou menos quanto dinheiro vamos precisar pra comprar - e mobiliar - uma casa, e pagar todas as despesas da festa de casamento. Só queremos nos casar quando tivermos o capital para fazer tudo do jeito que sonhamos, e isso pode demorar mais ou menos uns cinco anos, se começarmos a juntar o dinheiro agora. E como daqui a cinco anos eu estarei me formando na faculdade, é o momento perfeito para me casar. Por isso sim, quando receber meu primeiro salário esse mês eu já vou começar a juntar dinheiro pro meu casamento!
E depois de toda essa conversa que eu tive com meu namorado utópico ontem, acordei hoje feliz e resolvi assistir vídeos de Beyoncé no youtube. Gosto muito dela mas sou tão poser, não tenho tempo de acompanhar todos os seus lançamentos. Enfim, hoje eu vi pela primeira vez o clipe da música Best Thing I Never Had, e por coincidência, a diva está se casando no clipe. Fiquei totalmente a-p-a-i-x-o-n-a-d-a pelo vestido de noiva que Beyoncé usou. Lindo, perfeito, uma junção de vários modelos que sempre achei lindos. Não é a toa que é um Vera Wang, né? Quero me casar com esse vestido!



Assista ao clipe e veja em mais detalhes a perfeição desse vestido, e também a perfeição da voz da diva Beyoncé né. Sem contar com a lingerie que ela usa no começo do clipe e que também me deixou babando. Essa mulher é perfeita, sim ou claro?

terça-feira, 26 de junho de 2012

Diário #23

Sei que aconteceram algumas coisas na minha vida esses últimos dias que merecem ser relatadas no diário, como por exemplo o show e-s-c-p-e-t-a-c-u-l-a-r de Christian Chávez em Recife, é, eu sei. Mas não quero falar sobre o show, ou sobre a terceira temporada de Pretty Little Liars, ou sobre o meu namoro utópico. Hoje estou aqui para falar sobre outra coisa, que alguns podem achar besteira e outros podem achar mais importante que todos esses outros temas citados: eu pedi demissão do meu emprego!
Sim, eu pedi demissão! Dá pra acreditar? "Mas Anna, você estava tão feliz por estar trabalhando, e por estar fazendo algo que você gosta, que é escrever" É, eu sei disso tudo. No começo esse emprego parecia um sonho. Trabalhar em casa, escrevendo artigos, aprendendo todos os dias coisas novas e sobre variados assuntos, ganhar dinheiro para fazer algo que eu realmente amo fazer... Mas na verdade as coisas não eram tão perfeitas assim. Eu tinha uma meta diária de 5 artigos. Não parece ser muita coisa, mas é. No começo eu tava conseguindo fazer tudo direitinho, mas ai um diazinho só eu tive uns problinhas e não consegui atingir a meta. Acumulei artigos pra o outro dia. Pronto, um mês depois e eu ainda estava com artigos acumulados. Perdi totalmente o controle, não só da minha pauta mas de de mim mesma.
Eu fiquei desesperada. Não dormia, não comia direito, não descansava. Não assistia nada, não lia nada, não conversava com ninguém. Nem no meu facebook eu entrava pra não me distrair. Passava 25 horas por dia pensando e falando nos artigos (pessoal que me segue no twitter sabe bem disso). Várias vezes eu passei a madrugada escrevendo artigos, fui dormir de 5h da manhã e acordei de 8h para fazer mais artigos. De repente todos estavam com pena de mim e dizendo que esse trabalho não estava me fazendo bem. Minha mãe, meu namorado, meu melhor amigo... todo mundo percebia o quando aquilo estava me enlouquecendo.
Eu vivia sobre pressão total, mesmo sem ser pressionada por meu chefe. Ele sempre foi muito bonzinho comigo, nunca ficava me cobrando e sempre estendia meus prazos, fazia de tudo pra me ajudar. Então você deve estar se perguntando "se o chefe dela era tão flexível e não ficava cobrando, porque ela surtou desse jeito?", é, eu também não entendia o por quê. Até que minha mãe disse isso na minha cara e eu finalmente percebi. Eu sou muito perfeccionista, sempre fui. Gosto das minhas coisas todas certinhas, organizadas. Gosto de cumprir metas e prazos. E não descanso até ser bem sucedida no que faço. Então, quando eu comecei a atrasar meu trabalho e a não conseguir fazer minhas coisas, eu simplesmente surtei. Entrei em pânico mesmo. Vivia chorando e tudo. E todos me aconselhavam a sair do emprego, pois graças a Deus eu não preciso dele no momento, não preciso do dinheiro pois meus pais não se importam em continuar me sustentando até eu terminar a faculdade.
Mas eu simplesmente não conseguia desistir de tudo. Uma parte de mim dizia que era porque eu queria o dinheiro, queria juntá-lo para ir a um almoço com Christopher, queria poder comprar todos os livros, CDs e DVDs que sempre tive vontade mas meus pais não liberavam verba. Mas na verdade, lá no fundo eu sabia que não queria desistir porque esta palavra não existe em meu vocabulário. Não consigo começar uma coisa sem ir até o final, pode ser um filme chato, um livro entediante, uma série irritante... por mais que eu não esteja gostando, eu SEMPRE vou até o fim. Nunca fui de desistir de nada, parar na metade. Ter força e garra pra ir até o fim é questão de honra pra mim.
Então depois de pensar muito e ter uma séria conversa com meu interior, eu decidi que o melhor para mim realmente era desistir. Isto estava me fazendo muito mal, cheguei até a ficar com taquicardia e o médico disse que se eu não parasse e ter estresse iria precisar ficar tomando calmante. Então, em nome da minha saúde e da minha sanidade mental, e com o apoio a minha mãe que graças a Deus me entendeu e me apoiou em absolutamente tudo, eu pedi demissão.
Ontem foi meu último dia de trabalho. Escrevi meus últimos artigos, depois escrevi uma carta enorme de agradecimento ao meu chefe, pela oportunidade e pelas "ajudinhas" quando eu atrasei minha pauta, e por fim enviei tudo junto em um último e-mail para a empresa. Quando apareceu aquele aviso de "seu e-mail foi enviado" eu senti um alívio tão grande no meu coração! Inexplicável. Me levantei na mesma hora pra ir contar a minha mãe, e eu estava me sentindo mais alegre, mais feliz. "É uma sensação de alívio né?" Minha mãe perguntou, e eu lembrei da última vez que ela tinha falado isso pra mim, no dia que eu passei no vestibular. Sim, senti um alívio gigantesco naquele dia, de tirar todo o peso e os medos de cima de mim. Mas fala sério, o alívio de saber que eu finalmente estava livre desses artigos foi muito maior!
Senti que podia respirar de novo! Olhei na janela e tava chovendo. Os últimos dias foram todos de chuva, mas eu a olhava indiferente. E depois que eu me senti aliviada eu olhei a chuva com outros olhos. Sorri porque estava chovendo, e aquele friozinho só me deu vontade de fazer uma coisa: tomar um banho quente, me agasalhar, sentar na frente do computador e escrever. Escrever pro blog, escrever pras webs, escrever no twitter... apenas escrever! Sem compromisso nenhum, sem tema pré-determinado... Eu estava voltando a ter amor pela escrita. Meu trabalho voltou a ser meu hobbie que eu tanto amava.
Então estou imensamente feliz agora. Feliz, aliviada... LIVRE! Porque é isso o que eu estou sentindo desde ontem, liberdade. Esta é a palavra que está me definindo hoje. Foi a primeira coisa que pensei na hora que abri os olhos de manhã, e foi o que eu mais pensei durante todo o dia. ESTOU LIVRE! Posso voltar a ser eu mesma, fazer as coisas que amo, relaxar e aproveitar ao máximo minhas férias, para que quando minhas aulas na faculdade começarem (em agosto ou quando as universidades federais decidirem sair da greve) eu estar no pique das aulas e estar totalmente renovada para começar novamente o ritmo intenso dos estudos. E é sério gente, não tem nada mais gostoso que a sensação de liberdade.